<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d2075034\x26blogName\x3d%C3%89+sempre+assim\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://caru.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://caru.blogspot.com/\x26vt\x3d-4795325790978278189', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener("load", function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <iframe src="http://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID=2075034&amp;blogName=%C3%89+sempre+assim&amp;publishMode=PUBLISH_MODE_BLOGSPOT&amp;navbarType=SILVER&amp;layoutType=CLASSIC&amp;homepageUrl=http%3A%2F%2Fcaru.blogspot.com%2F&amp;searchRoot=http%3A%2F%2Fcaru.blogspot.com%2Fsearch" marginwidth="0" marginheight="0" scrolling="no" frameborder="0" height="30px" width="100%" id="navbar-iframe" title="Blogger Navigation and Search"></iframe> <div></div>
segunda-feira, janeiro 29, 2001


Incrível como conhecemos gente louca nessa vida. O tema da redação do vestibular que eu fiz esse ano foi a similaridade entre o fanático por futebol e o ciumento doente. Ambos sentem-se perseguidos e vêem provocação direta e pessoal em tudo o que acontece. Então eu proponho um teste: alguém vê ofensa direta no provérbio oriental "Para você beber vinho numa taça cheia de chá é necessário primeiro jogar o chá fora, para então, beber o vinho." ???? Respostas para Caru



quinta-feira, janeiro 25, 2001


feriadão, plantão na redação. Dicão de amigão. Valeu, lalá.

"É bem sabido que os antigos consideravam os amigos indispensáveis à vida humana; para eles, uma vida sem amigos não era verdadeiramente digna de ser vivida. Ao defender este ponto de vista, pouco ou nenhum relevo davam à idéia de que na desgraça precisamos do auxílio dos amigos; muito pelo contrário, pensavam que ninguém pode gozar a felicidade ou a sorte a menos que tenha um amigo para partilhar essas alegrias. É claro que há uma parcela de verdade na máxima segundo a qual só na desgraça descobrimos quem são os nossos verdadeiros amigos; mas os que consideramos como amigos verdadeiros sem esse tipo de prova são geralmente aqueles a quem revelamos sem hesitar a nossa felicidade, e com quem contamos para partilhar nosso contentamento."

Hanna Arendt, falando de Lessing



quarta-feira, janeiro 24, 2001


sugestão de dani mata machado depois de uma discussão sobre os limites da amizade (claro que a conclusão óbvia foi que amizade que é amizade é desprovida de limites)

"Não pode ser seu amigo quem exige seu silêncio ou atrapalha seu crescimento."
(Alice Walker)





Viva! A Dani mandou uma ode ao amor. Lindo, thanx Dani...

DEDUÇÃO


Não acabarão nunca com o amor,
nem as rusgas,
nem a distância.
Está provado,
pensado,
verificado.
Aqui levanto solene
minha estrofe de mil dedos
e faço o juramento:
Amo
firme,
fiel
e verdadeiramente.

Vladímir Maiakóvski (1922)



terça-feira, janeiro 23, 2001


lalá strikes again. será que estou ficando repetitiva?
CARALHO
por que
sempre confundo burocracia
com envolvimento?





A Lalá uma vez me mandou uma mensagem muito legal. Eu tava mesmo precisando. E agora eu mando de volta para ela, esperando que ela leve isso muito a sério.

"Não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam. Não importa o quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo e você precisa perdoá-la por isso. Não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte ou fique se lamentando".



segunda-feira, janeiro 22, 2001


Poema de vovó Arildinha, "infalível" segundo a própria.

"Pelas horas de ansiedade
Pelos momentos de prece
Por "aquela" felicidade
Ouve um pedido... me esquece

Pelas horas de alegria
Que me deste sem perceber
Meu coração balbucia
Procura sim... me esquecer

Por aquele amor que julgava
Nenhum maior no mundo houvesse
Mas que uma voz segreda
Ele não existe... me esquece

Pelo bem que você merece
Pelo amor maior que senti
Te peço de novo... me esquece
Porque eu... já te esqueci"





site de cartões nojentos que a lalá mandou





Este poeminha foi a Lalá quem mandou, é da Martha Medeiros, para combinar com o título do blog:
"não faz diferença
se você vem amanhã
ou não vem
cansei de esperar por alguém
cuja ausência me faz companhia"





Pode estar batido, mas é lindo. Victor Hugo:

"Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito
De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.
Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.
Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.
Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.
Desejo por sinal que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.
Desejo que você descubra ,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.
Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, você se sentirá bem por nada.
Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro, Porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga “Isso é meu”,
Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.

Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
Por ele e por você,
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar e sofrer sem se culpar.

Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar “.





Esta é do Murray Richman, e eu lembro sempre que preciso de um "tapa" na auto-estima:
"I'm butter, not margarine".